quarta-feira, 25 de junho de 2008

Entrevista com Marco Falcone

Até bem pouco tempo atrás Belo Horizonte não tinha uma exposição devido as suas cervejas mas sim as suas cachaças, produzidas de forma artesanal e com muita qualidade, conquistando apreciadores em todo o mundo.
Porém o cenário mineiro hoje é diferente, possui um número considerado de micro cervejarias, e conseqüentemente um número considerado de Homebrews, no entanto que a Acerva Mineira fomenta de forma excepcional o mercado de cervejas especiais e da cultura cervejeira Brasileira, não é a toa que o III Concurso Nacional de Cervejeiros Caseiros ocorrerá em BH.

Em Ribeirão das Neves, a família Falcone fazia cerveja caseira para consumo próprio, no sítio onde hoje está a fábrica. Em dezembro de 1988, são fabricadas as primeiras 260 garrafas - 2 kits de cerveja caseira, no sítio da família, sob sociedade da Mãe Hilma Falcone (que financiou o equipamento e a matéria prima) e Marco Antonio Falcone (que aprendeu a fabricar). A marca inicial era Cirvizia Aquila, o consumo era exclusivamente na família.

A idéia de comercializar a bebida foi amadurecendo lentamente e A partir de junho de 2003, a família decide concluir estudos para implantação de uma Micro Cervejaria com fins comerciais, junto ao sítio da Família e após visitas a vários fabricantes de equipamentos, e em novembro de 2003 é fechado contrato de fornecimento dos equipamentos.
A fábrica foi instalada em uma área campestre, a 35 Km do centro de Belo Horizonte, em ambiente arborizado, totalmente isento de poluição e no dia 28 de junho de 2004, acontece a primeira incursão do Chope Falke Bier no mercado, e desde então ficou claro o comprometimento da família em divulgar a cultura cervejeira no Brasil, produzindo produtos com alta qualidade, lançando a primeira cerveja estilo tripel do Brasil, e mais recentemente uma Índia Pale Ale, deixa claro o compromisso em tratar a cerveja com seriedade, o entrevistado é Marco Falcone, um tremendo incentivador do mercado das Micro cervejarias e entusiasta dos cervejeiros caseiros em Minas Gerais e do Brasil, abaixo a entrevista confirmando todo este compromisso, degustem sem moderação.


O logotipo e rótulo da primeira cerveja produzia pela familia.
oBIERcevando - O que é cerveja para Marco Falcone?

Marco Falcone - Cerveja é algo que transcende a bebida. É um composto que envolve história, cultura, técnica, criatividade, gastronomia, convivialidade, alegria e prazer.

oBIERcevando - Então sua mãe, Dona Hilma Falcone, foi a primeira a investir em cerveja na familia, como saiu a “Cirvizia Áquila” .
MF - Quando fiz meu primeiro curso de cerveja caseira e levei para casa a amostra da cerveja, o entusiasmo foi tanto que Dona Hilma pediu a construção de uma segunda cozinha no sítio, totalmente adaptada, com bancadas, tomadas, fogão, exclusivamente dedicada à fabricação de nossa Cirvizia Áquila. Meu pai, Julio Falcone prontamente construiu. Foi realmente um grande incentivo.


oBIERcevando - Como é trabalhar em família, de quem veio a idéia de montar a Falke Bier?

MF
- Trabalhar em família é uma experiência incrível, quando se sabe distinguir o profissionalismo do parentesco. Quando todos entendem a missão da empresa e sua contribuição para o sucesso do empreendimento, funciona como qualquer empresa onde é bom de se trabalhar. Outro detalhe importante: as pequenas cervejarias de tradição na Europa trazem várias gerações na fabricação e comercialização, conceito que corresponde ao artesanal. Hoje na Falke, temos 3 gerações envolvidas, já que o Tiago, meu filho de 20 anos está trabalhando na empresa e envolvido na produção.
A idéia de montar a Falke Bier nasceu de minhas viagens à Europa, mas foi logo adotada com paixão pelo Ronaldo e pela Juliana, e aí, juntos, consolidamos o processo. Nossos pais também se integraram totalmente ao projeto, formando assim um time dedicado e focado na busca pela perfeição do negócio.
oBIERcevando - A Monasterium, como foi idealizada e quanto tempo demorou para chegar ao ponto de hoje?

MF - A Falke Bier já fabricava 3 chopes da família Lager, o Pilsen, o Red Baron e o Ouro Preto, porém a vocação destes chopes é de abastecer apenas o mercado local. Não são pasteurizados e nem tem conservantes, portanto não resistem a longos períodos sem refrigeração. Faltava então um produto que pudesse romper as fronteiras, não só de Minas, mas do Brasil.
Em junho de 2006 fizemos um curso de degustação com o Mestre-Cervejeiro Paulo Schiaveto e aí nasceu uma grande amizade. Manifestamos a ele nossa vontade de formular uma Belgian Strong Ale e juntamos nossos esforços para fabricar uma Tripel. Nasce aí a Monasterium, que por ser refermentada na garrafa, não oxida. Por ter alto teor alcoólico, inibe atividades microbiológicas. Portanto, alta durabilidade, podendo ser enviada para qualquer parte do mundo.

oBIERcevando - As micros tem que uma ajudar a outra na educação do consumidor, porém a concorrência é necessária, e no mercado cervejeiro, qual é o ponto de ela ser sadia?

MF - A única forma do movimento das cervejas especiais no Brasil ser vencedor é através da aculturação do consumidor. Portanto a educação é ponto fundamental, o início de tudo. Todos que se iniciaram neste conhecimento sabem que é um caminho sem volta. Nós da Falke Bier temos lutado intensamente, promovido cursos e palestras, patrocinado degustações, harmonizações, recebido alunos de diversas universidades em nossa fábrica. São ações que estão multiplicando exponencialmente o número de apreciadores da boa cerveja.
Quanto a concorrência, o que ocorre é o seguinte: os fabricantes que produzem com qualidade não tem limites de mercado e nem temores, pelo contrário, só confiança. Já aqueles que procuram visar apenas preço, fabricando produtos similares aos industriais, estes sim devem temer a concorrência, pois estarão concorrendo com as grandes indústrias e serão selecionados naturalmente pelos novos conhecedores que estamos formando.

oBIERcevando - Qual estilo de cerveja a Falke ainda terá?

MF - Temos uma série de projetos. Como todos estes projetos são de longo prazo, envolvem muitos fatores como formulação, testes, durabilidade, garrafas, rótulos, estudo de mercado, imagino que teremos 1 lançamento a cada 2 anos. Temos em estágio mais avançado, planos para uma Vintage Ale.
Os quatro produtos da Falke Bier, os chopes Ouro Preto, Red Baron, Pilsen e a Falke tripel Monasterium.

oBIERcevando - Podemos dizer que hoje Belo Horizonte já possui uma rota cervejeira, dado o número de micro cervejarias na região?

MF - Não só uma rota, como também um setor. O setor das cervejas artesanais. Há 3 anos inciamos um processo de associativismo. Existe um Sindicato, o SINDBEBIDAS/FIEMG (Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral do Estado de Minas Gerais/Federação das Indústrias de Minas Gerais) que há mais de 20 anos não abrigava mais cervejarias (elas se filiaram ao SINDICERV), apenas cachaças artesanais de Minas. Então nos filiamos e iniciamos um processo de trazer as demais micro cervejarias para dentro do sistema. Em 2005 fomos para a BRASIL BRAU bancados pelo SINDBEBIDAS, eramos apenas nós como filiados e fomos pioneiros no Beer Lounge da Brasil Brau, junto a Devassa, do Rio de Janeiro.
Em 2007 fomos à Brasil Brau junto com a Backer, já filiada. Mas o grande trunfo surgiu agora no mês de junho. Durante a XI Expocachaça, realizada de 5 a 8 de junho no Expominas, a maior feira do Estado de Minas Gerais, com um público de 30 mil pessoas por dia conseguimos emplacar 5 micro cervejarias abastecendo TODOS os 5 restaurantes da feira, como também uma praça da cerveja artesanal, também como presença das 5 micro cervejarias e também da AcervA Mineira.
Com isto causamos verdadeiro furor no setor. A Secretaria de Turismo de Minas já sinalizou no sentido de promover o roteiro turístico das micro cervejarias.
Todas estarão apoiando o III Concurso Nacional de Cervejas Caseiras, em 30 de agosto deste ano.
Em novembro realizaremos a Minas Bier Fest, onde as 7 micro cervejarias filiadas ao SINDBEBIDAS e mais a AcervA Mineira que em breve se filiará, estarão, durante 3 dias, promovendo um verdadeiro festival de cultura cervejeira em Minas. E isto é só o começo, estamos trabalhando mais outras várias frentes, que vão desde a luta pela questão tributária, certificação das cervejarias, programas de qualidade até o incentivo a novas micro cervejarias aqui em Minas.


oBIERcevando - Se não fabricasse cerveja, o que o Marco Falcone fabricaria?

MF - Whisky.


oBIERcevando - A líder do mercado nacional de cervejas, começará a produzir suas próprias garrafas, você acha que agora as micros terão mais atenção das indústrias que fabricam garrafas?

MF - Esperamos que sim. No setor de cachaças artesanais houve uma grande atenção, foram desenvolvidas garrafas de qualidade. E acho que os fabricantes são sensíveis. Um grande fabricante, por ocasião da Brasil Brau nos apoiou bastante, fornecendo a garrafinha que utilizamos para brindar nossos visitantes, o que sinaliza favoravelmente nos sentido do atendimento de novas demandas.

oBIERcevando - E o novo lançamento, a Falke Índia Pale Ale, como surgiu e quando chegará ao mercado?

MF - A India é uma história bem interessante. Ela furou fila. Na verdade fomos procurados pelo Instituto Estrada Real, uma iniciativa incrível de vitalizar o turismo em Minas, revitalizando a estrada que serviu para escoar as riquezas de Minas e enriquecer toda a Europa.
O Instituto nos contratou para desenvolver uma cerveja com a marca Estrada Real e aí fomos decidir que estilo utilizaríamos.
Como se sabe, quando a Inglaterra colonizou a Índia, por volta de 1700, 1750, os ingleses, que não andam sem sua pale ale, levavam barris, que após 3, 4 semanas de viagem, chegava azeda ao destino. Como na época não se conhecia a microbiologia (a pasteurização não tinha sido descoberta) e não existiam conservantes, os ingleses aumentaram a lupulagem (o lúpulo tem ação bactericida) e o teor alcoólico (o álcool inibe atividades microbiológicas). Estava criada então o estilo INDIA PALE ALE.
Por analogia, se o Brasil tivesse sido colonizado pelos ingleses, qual cerveja percorreria por semanas o trajeto da Estrada Real?
Ela chegará ao mercado provavelmente em agosto. Estamos circulando com uma versão teste com a marca Falke Bier India Pale Ale.
oBIERcevando - Uma pergunta indiscreta, porém realista, existe a possibilidade da Falke ser vendida a um grande grupo cervejeiro?

MF - Tenho sido questionado insistentemente sobre o tema e a resposta é sempre a mesma: não fizemos a Falke Bier para vender e ficarmos ricos. Fizemos um projeto de qualidade de vida para a família e qualidade de produto para o mercado. Emprestamos nosso sobrenome à marca (Falke em alemão = Falcone em italiano). Construímos nossa cervejaria junto ao sítio da família, com todos os requintes de respeito aos vizinhos e ao meio ambiente. Pretendemos continuar pequenos e creio que não seremos alvo desta cobiça.

oBIERcevando - Qual outra cerveja que você realmente goste, além da Falke, gostaria de estar degustando agora?
MF - Westvleteren ABT 12

Mais informações: Falke Bier

5 comentários:

Sergio Fraga disse...

Grande Feijão, tudo bem?

Excelente entrevista com este Mestre com M maiúsculo que é o Marco Falcone!

Só um toque para sua correção: está escrito que a Monasterium é refermentada na "garra". Sim, concordo, mas acho que o sentido literal deve ser na "garrafa", certo? :-)

Um grande abraço,

Sergio.

Armando Fontes disse...

Mestre Feijão, corrija ai por favor
O III Concurso Nacional de Cervejas Caseiras, será 30 de Agosto.
Por sinal meu aniversário.
Se voce puder nos ajudar promovendo o concurso, existe um post na AcervA Mineira com o código do banner de divulgação com link de download do regulamento.

forte abraço! Contamos com sua presença aqui

Armando Fontes - Vilã cerveja de caldeirão
www.acervamineira.com.br

feijão disse...

Nobres,

Sérgio,

É um honra te-lo por aqui, muito obrigado pelo visita, saiba que tenho muita admiração pelo seu trabalho e sei que em breve nos trará ainda mais alegrias. Já fiz a correção, obrigado.

Armando,

Outro iluste companheiro e militante cervejeiro, peço desculpas em não ter atentado a data do concurso, li algumas vezes a entrevista não reparei, mas já está alterado, e com certeza estarei ai em BH para o evento, não tenha dúvidas, e pode deixar que vou fazer mais uma vez a divulgação, já havia colocado uma nota, mas agora vou utilizar o banner em um post.

Obrigado aos companheiros pela correção e espero econtra-los em breve.

feijão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
feijão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.