segunda-feira, 22 de junho de 2009

Pilsen Urquell


Semana passada aconteceu a semana da República Theca na Forneria Melograno do caro Edu Passarelli, os eventos foram divididos em três dias, pude participar apenas no segundo evento, dia 18/06 que contava com duas palestra.


O theco Radim kovacs fazendo um brinde com a Pilsen Urquell

Um dos palestrantes foi Radim Kovacs que tratou sobre o desenvolvimento do mercado cervejeiro na República Theca, aproveitei e perguntei a ele que apesar de todo o contexto histórico que a República Theca tem com a cerveja - criou um dos estilos mais difundidos no mundo, o Pilsen - se as cervejarias não variam, não produzem novos estilos e se este renascimento que está ocorrendo também naquele país, as micros iriam trazer essas novidades. Ele foi bem enfático na resposta ao dizer que o pais, que possui o maior consumo de cerveja per/capita por habitante, é fanático por suas tradicionais Pilsen e as Dark lagers, ele disse que já foi feita tentativa de novas receitas porém não tiveram aceitação, mas só o fato de existir excelente produção de Pilsen com tradição e qualidade, supera qualquer falta de estilos.


O senhor de barba branca ao fundo é o theco Milan Ballik a frente tinha é uma pessoa do consulado theco traduzindo.

Já o outro palestrante, Milan Ballik, falou um pouco da história da cerveja na República Theca, dando detalhes da tradição que perpetua até hoje nas "bodegas", ou os botecos que existem a séculos por lá, uma aula de como a cerveja carrega muita tradição.
Para brindar todo este bate papo rico em informações e conhecimento foram servidas as cervejas: 1745, Starobrno, Primator e Czechvar, e para fechar com chave de outro, foi servido com exclusivade no Brasil a desejada Pilsen Urquell em barril, uma experiência impar e coloco minhas impressões abaixo:


Cerveja: Pilsen Ürquell
Apresentação: Chopp
Tipo: Pilsen
Álcool: 4,8%
Cor: Dourado intenso, limpa, brilhante.
Espuma: Ótima formação, duradoura, formando "redes" no copo.
Aroma: Malte, cereais, pão, leve lúpulo.
Paladar: Ótimo corpo, agradável dulçor no inicio, depois uma dose fina de lúpulo domina o paladar, deixando o final com delicioso amargor, porém é uma cerveja muito equilibrada entre dulçor do malte e amargor do lúpulo.
Comentário: O drinkability desta cerveja é muito alto, nunca uma cerveja como esta deixaria uma pessoa traumatizada pelo "amargor' ou por ser forte, longe disso, ela é discreta porém com personalidade forte. Fica dificil entender porque não produzir uma cerveja como esta, medo da aceitação?

6 comentários:

Anônimo disse...

Não acredito em não aceitação, até por que os tchecos por mais que gostem de cerveja pilsen já devem estar muito acostumados com esse sabor.
E o mundo cervejeiro é imenso, para se resumir apenas em cerveja pilsen.
Fora que esse tipo de informação, assim como uma pesquisa não é confiável.
Eles estão do lado totalmente oposto, da escola americana que é bem ousada.

Wagner

stemamo disse...

Olá Paulo. Muito interessante o texto sobre a palestra e a já desejada, Urquel Pilsner. As urquel são muito boas mesmo. Estamos com um blog também com análises e avaliações. Nossa intenção é fazer a nossa própria cerva artesanal. Até lá estamos degustando de tudo e aprendendo o que podemos. Se puder faça uma visita ao nosso blog. Estou listando todos os blogs relacionadas a cerveja, conheci o seu pelo brejas.

Grande abraço!

http://habeascorpvs.blogspot.com/

Paulo Feijão disse...

Wagner,

Foi exatamente por isso que questionei pela falta de estilos no país que mais consome cerveja no mundo. Porém de certo ponto é fascinante a devoação dos thecos pelas suas cervejas, creio que é válido manterem desta forma o mercado, com ótimas opções de poucos estilos.

Stemano,

Obrigado pela visita e com certeza farei visitas ao blog.

Abraços

Pivní Filosof disse...

Yo no entiendo a aquellos que critican a la industria cervecera de un pais por su falta de estilos.

El mercado checo es muy conservador y, si bien recientemente están empezando a aparecer más variedades estilísticas, el 90% de las cervezas consumidas sigue siendo pale lager de algún tipo u otro.

y como montar una cervecería es, primero y principal, un negocio, los cerveceros se ven obligados a elaborar aquello que van a poder vender. Algunas de las micros están empezando a buscar nichos en el mercado, pero aun así, siguen elaborando pale lagers que es lo que les da de comer y paga las cuentas.

Comparar el mercado checo, con el mercado yanki no tiene ningún tipo de sentido.

Pivní Filosof disse...

PS: Al menos la Pilsner Urquell que se vende acá en la Rep. Checa tiene 4,4%ABV, no 4,8%.

Paulo Feijão disse...

Caro,

Concordo em genero e número contigo, o questionamento na realidade foi para entender um pouco sobre o mercado Theco, nem de longe foi uma critica.

Você sabe muito mais que qualquer um por aqui sobre o mercado, como aqui no Brasil as cervejas que pagam a conta das cervejarias ainda continuam sendo as Pale Lagers, então não temos muito que falar.

A devoção theca aos seus produtos é fascinante, deve ser respeitada sim e não vejo a hora de poder degusta-la.

Caro vou verificar a informação do teor alcoólico e depois confirmo aqui.

Forte abraço e muito obrigado pela visita.